Woody Allen

  • 1 de dezembro de 1935
  • Nova York, EUA
  • Americano
  • Diretor, Roteirista e Ator

Biografia

Woody Allen sempre foi fascinado por entretenimento. Nascido em 1º de dezembro de 1935, no Bronx, Allan Stewart Konigsberg foi criado no Brooklyn, local muito citado em suas comédias no início de carreira. Konigsberg viraria Woody Allen na adolescência, ao escrever piadas para jornais, recebendo seus primeiros dólares como comediante. Após um período escrevendo gracinhas em colunas de jornal, Allen conseguiu emprego em programas de televisão, trabalhando em sucessos como The Ed Sullivan Show e Tonight Show, até que tentou uma carreira como comediante de stand up em clubes da época. Sua timidez teve de ser vencida no palco, onde criou uma persona que o acompanharia para toda a vida: o sujeito neurótico, nervoso, inteligente, com uma queda fenomenal pelo sexo oposto e, dependendo do personagem, um trapaceiro atrapalhado. Não demorou muito para que começasse a ter chances no cinema – primeiramente em pequenas participações em filmes como O Que É Que Há, Gatinha? (1965) e Cassino Royale (1967). A aposta em Allen foi grande e, depois de ter estreado na direção com o pastiche dos filmes de espionagem O que há, Tigresa? (uma mera redublagem e montagem diferente de filmes japoneses baratos), em 1966, seu real debut na cadeira de diretor foi com o divertido Um Assaltante Bem Trapalhão (1969), no qual além de trabalhar atrás das câmeras, era responsável pelo roteiro e pelo papel principal. Isso viraria constante nas produções comandadas por Woody Allen. Com os sucessos dos primeiros trabalhos, em especial Tudo o que você sempre quis saber sobre sexo, mas tinha medo de perguntar (1972), o cineasta começou a gozar de uma liberdade sem precedentes para um diretor novato, iniciando o que seria outra constante em sua carreira: a ausência de interferências externas em seus filmes. Allen, muito cedo em sua filmografia, já tinha o corte final de seus longas-metragens e escolhia como bem entendesse as temáticas que trabalharia. Foi nesta primeira fase que conheceu e teve um rápido romance com Diane Keaton – terminado antes mesmo do primeiro filme em que a atriz foi comandada pelo cineasta. Desta frutífera parceria surgiram longas-metragens como O Dorminhoco (1973), A Última Noite de Boris Grushenko (1975) e, o que viria a ser o mais premiado e elogiado filme da sua carreira, Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, uma comédia romântica diferenciada, com narrativa nada convencional e um desfecho longe do comum. Vencedor dos Oscar de Melhor Filme, Diretor, Atriz e Roteiro Original, o longa-metragem virou marco zero para as produções do gênero, todas bebendo na fonte da premiada obra de Woody Allen a partir dali. Depois de Keaton, Mia Farrow tomou o lugar de musa do cineasta, participando de 13 filmes – e encerrando sua parceria após um escândalo que não só terminaria com o matrimônio entre os dois como mancharia a reputação do cineasta por um bom tempo: o romance dele com sua enteada, a jovem coreana Soon-Yi. Depois de um período conturbado, com bons filmes, mas sem muitos sucessos de bilheteria (excetuando-se, claro, o premiado Tiros na Broadway, 1994), Allen retornaria aos bons momentos com sua excursão pela Europa, iniciada em 2005 com Match Point: Ponto Final (onde encontrou sua nova musa, Scarlett Johansson) e, até agora, finalizada em Magia ao Luar (2014). Até hoje já ganhou quatro Oscars, 3 Globos de Ouro, 10 Baftas e prêmios nos festivais de Cannes, Berlim e Veneza. Realiza, em média, um novo trabalho a cada ano.