Crítica

Em outubro de 2012, meios de comunicação especializados deram uma notícia que pegou a todos de surpresa: Star Wars, a franquia multimilionária de George Lucas, havia sido vendida para a Disney por US$ 4 bilhões, em um negócio que não só consumava a aposentadoria do criador da saga como sinalizava a continuação das histórias da família Skywalker nos cinemas. Passado o susto e sendo bombardeados com notícias diárias sobre o making dos episódios VII, VIII e IX – bem como de filmes separados sobre personagens icônicos – os fãs da série devem se perguntar qual será o resultado final deste retorno da franquia intergaláctica aos cinemas. Teremos produções do nível da trilogia clássica? Ou apenas longas-metragens anabolizados com efeitos especiais como vimos nos episódios I, II e III? Especular o caminho a ser seguido é um exercício de futurologia que não me atreverei a fazer aqui. No entanto, é louvável que tenhamos a oportunidade de conferir a continuação para as aventuras de personagens tão marcantes quanto Luke Skywalker, Han Solo e Princesa Leia. Mesmo que eles não sejam os protagonistas dos novos filmes, será uma sensação agradável revê-los em novas tramas.

O que nos faz voltar a 1977, quando o primeiro Star Wars foi lançado – época em que, aqui no Brasil, a produção ainda utilizava seu simpático título em português Guerra nas Estrelas. Em um tempo em que os filmes-evento estavam começando a surgir (sendo Tubarão, em 1975, o marco zero dos blockbusters), Star Wars: Episódio IV – Uma Nova Esperança era um verdadeiro colírio para os olhos de qualquer fã de ficção científica. Com efeitos especiais fantásticos para a época e com uma história que empregava de forma muito competente a jornada do herói, George Lucas mostrou-se um sujeito de visão, empregando os conceitos das antigas matinés seriadas com tudo que uma grande produção hollywoodiana poderia contar.

Na trama, o temível Império constrói uma unidade bélica capaz de destruir planetas num piscar de olhos, chamada Estrela da Morte. As forças rebeldes contrárias ao totalitarismo do imperador conseguem diagramas que revelam os pontos fracos desta arma – e que são colocados dentro do dróide R2-D2 antes de Leia (Carrie Fisher) ser capturada pelo temível Darth Vader. O robô, ao lado do seu eterno parceiro C-3PO, tem uma missão: encontrar Obi-Wan Kenobi (Alec Guinness), um velho Jedi que, agora, vive como um eremita no planeta Tatooine. O caminho desses dróides se chocará com o jovem Luke Skywalker (Mark Hamill), uma figura que se mostrará chave na batalha contra o Império. Contando ainda com a ajuda do audacioso e petulante Han Solo (Harrison Ford) e com o temperamental Chewbacca, a força rebelde terá de lutar arduamente para fazer frente ao perigoso Darth Vader.

Star Wars: Episódio IV – Uma Nova Esperança é uma aventura deliciosa, comandada de forma competente por George Lucas, cineasta que cria com maestria uma gama de personagens riquíssimos para acompanharmos. A saga não teria o sucesso que possui não fossem as corajosas peripécias de Luke Skywalker, o charme arrogante de Han Solo, a bravura precursora do girl power de Princesa Leia e, claro, a ameaça sempre presente de um dos maiores vilões do século XX, Darth Vader. Tudo no personagem funciona de forma perfeita – a voz de trovão (de um, na época, não creditado James Earl Jones), o chiado de sua respiração, a capa preta, a máscara. Não é a toa que em qualquer lista de grandes bad guys do cinema, Vader não raro está as encabeçando.

Ainda que diálogos não sejam a expertise de Lucas, que falha por vezes ao telegrafar os sentimentos dos personagens em diálogos desnecessários (“Não sei se atiro nela ou começo a me apaixonar”, diz um Han Solo após conhecer a Princesa), a criação de algumas falas icônicas acabam por desculpar alguns deslizes (“Que a Força esteja com você” está entranhado em nossa cultura, por exemplo). Ao misturar efeitos especiais de primeira com uma aventura cativante – e que tem até um ritmo lento para os parâmetros atuais – Star Wars: Episódio IV – Uma Nova Esperança foi o pontapé inicial para uma franquia que até hoje rende frutos, conquista novos fãs e que continua passando mensagens edificantes como coragem, amizade e respeito. Nada mal para uma produção que, tão desacreditada na época pelo estúdio, viu seu criador conseguir todos os direitos para si, em um negócio que poderia ser de risco para Lucas caso o filme fosse um fracasso. 35 anos depois e 4 bilhões de dólares mais rico, o criador de Star Wars não poderia ser mais bem sucedido.

As duas abas seguintes alteram o conteúdo abaixo.
avatar

Rodrigo de Oliveira

é crítico de cinema, membro da ACCIRS - Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul. Jornalista, produz e apresenta o programa de cinema Moviola, transmitido pela Rádio Unisinos FM 103.3. É também editor do blog Paradoxo.
avatar

Últimos artigos deRodrigo de Oliveira (Ver Tudo)

Comentários