Crítica

Germain (Fabrice Luchini) é professor de literatura que, após anos no lycée, já não tem o mesmo prazer em ensinar seus alunos. Dar aulas e corrigir provas na companhia da mulher, a galerista Jeanne (Kristin Scott Thomas), nada mais é que um trabalho cansativo e desalentador. Mas quando conhece a letra de Claude (Ernst Umhauer), jovem que, no dever de narrar como havia sido seu fim de semana, acaba por surpreender o professor ao contar sua relação com um amigo Raphael Artole (Bastien Ughetto), que é por acaso seu colega, de maneira bastante fora do comum (o comum é aquilo que Germain está habituado a ler de outros estudantes na maioria dos casos). Germain resolve então aprimorar a escrita de Claude, pois vê nele o talento que lhe falta: quer que o jovem escreva aquilo que não conseguiu escrever. Logo fica claro que Claude é o filho e a obra que Germain nunca conseguiu colocar no mundo. Claude demonstra empolgação com a ideia e passa não só a contar sua vida com Raphael, mas também sua intimidade. Frequenta a casa do colega para lhe ajudar nas lições de matemática e ganha confiança dos pais dele. O drama (do filme e da própria história que Claude cria para Germain a partir de sua experiência real) se instaura entre as possibilidades do real e da ficção.

O tutor e o aluno desenvolvem uma relação que flutua entre a necessidade (humana, afinal) de se locupletar, de compor um mundo que pode existir para além de sua própria corporificação, isto é, de seu próprio processo criativo. Pois Dentro da Casa é bem isso, aquele registro infantil e ao mesmo tempo adulto da vida. Um filme que trabalha em cima da ideia de que nossas escolhas também podem ser bastante imbecis. Germain pretende ensinar a Claude as técnicas narrativas que o bom escritor deve dominar. Então o filme passa a girar em torno da apreensão e da conquista do próprio jogo que eles criam e o espectador torna-se objeto de captura nos meandros das cenas. Em meio a lições que vão de Tchekhov a Flaubert, passando por Dostoievsky, o diretor François Ozon costura uma aventura moderna atolada em seus esquemas: um diálogo com o processo de criação incipiente que busca na própria qualidade das referências que apresenta construir um discurso conciliador entre a realidade e ficção.

Ao escrever para Germain, Claude busca um final estarrecedor, algo que possa sacramentar sua fúria juvenil e seu amor incontrolável pela mãe do melhor amigo. Germain perde o controle sobre sua escrita quando lhe ensina que a literatura lhe permite criar o insondável, governar o impossível e desmistificar as forças estabelecidas socialmente. Mas Ozon não quis fazer um filme sobre algo, mas sobre qualquer coisa. A história de um professor mediano e de um aluno promissor não envolve a dramaticidade que suas intenções demandam, ficando entre o humor desleixado e o drama romântico cordial com o espectador, aquele que rouba a crueldade dos grandes autores para delas se embebedar torpemente. Se uma tragédia se anuncia, uma história das mais surradas ganha corpo.

Com toda a ingenuidade que lhe cabe, Dentro da Casa revela que a arte pode alterar o futuro, torná-lo seu, a seu modo. Se uma das lições de Germain é que o escritor deve deixar o espectador decidir alguns acontecimentos sem fornecer muitas explicações, Ozon coloca isso como questão fazendo exatamente o inverso. A única chance do espectador aproveitar o filme é no final, quando Claude finaliza seu romance acenando com a possibilidade de que ele transou com a mulher do professor, mas a essa altura não há quem sem importe com a dubiedade de traições. O que fica é a impressão de que Germain não é mais que sua inocência e Claude nada além de sua infantilidade amorosa.

Falta muito ao novo filme de Ozon. Ele carece de uma diferença, pois é igual a quase todos os outros. A câmera só filma quem fala, não há extracampo (embora não seja um cinema de fluxo), o off é meramente reiterador de algo que já toma conta da tela. Falta algo que possa lhe dar fôlego, recuperando a alegria de filmar que vimos em Gotas d'água em Pedras Escaldantes (2000) ou mesmo em Angel (2007) que, dos seus trabalhos recentes, parece o único que ainda resiste a certos artificialismos – talvez justamente por ser aquele esteticamente menos óbvio. Aqui, não há nada sobre o fracasso da vida que não seja uma simplificação da própria obra dostoievskyana.

As duas abas seguintes alteram o conteúdo abaixo.
avatar
é crítico de cinema, membro da ACCIRS - Associação de Críticos de Cinema do RS. Edita o blog Tudo é Crítica (www.tudoecritica.com.br) e a Revista Aurora (www.grupodecinema.com).
avatar

Últimos artigos dePedro Henrique Gomes (Ver Tudo)

Veja também

Comentários