O nosso papo é de cinema!


Cine São Paulo

20/04/2017    

 

Crítica

Muito antes do surgimento da televisão, do videocassete (posteriormente do DVD e do Blu-Ray) e da internet – com suas possibilidades de download e streaming –, o cinema possuía um papel bem diferente na vida das pessoas. Isso fica evidente ao nos depararmos com histórias semelhantes às de Francisco Augusto Prado Telles, que herdou do pai o estabelecimento homônimo deste documentário dirigido por Ricardo Martensen e Felipe Tomazelli. Cine São Paulo aparentemente se dá como mero registro da batalha do Seu Chico para adequar o espaço às normas de segurança vigentes, assim podendo reabri-lo, mesmo sabendo das dificuldades para viabilizá-lo atualmente como negócio. O primeiro, e principal, trunfo do filme é o carisma do protagonista, por quem nos afeiçoamos praticamente de imediato. É louvável a sua disposição desmedida em manter o prédio funcionando com a finalidade à qual foi construído há mais de um século. Sem modernização, este templo fecha.

Os cineastas, aliás, temperam a narrativa com essa sensação de embate constante entre o antigo – pois, nas palavras de Seu Chico, velho é o que não serve mais – e o novo. Em meio a questões de ordem prática, como a necessária troca do forro, a substituição do sistema elétrico que parece não mais dar conta do recado, tudo capturado com minúcia para reforçar o esforço hercúleo empreendido, temos excertos de memória que substanciam sobremaneira a empreitada fílmica. Cine São Paulo ganha tons emotivos quando o protagonista relembra, com pessoas próximas, às vezes até mesmo trabalhadores da obra, momentos especiais vividos no local, como as sessões de Ben-Hur (1959), clássico de William Wyler cujas imagens servem para estabelecer uma ponte entre Seu Chico e o pai já falecido, de quem obviamente ele tem orgulho. Doris Day cantando "Que Sera Sera" em O Homem Que Sabia Demais (1956) propicia outro desses elos afetivos com o passado, que enchem o filme de um saudosismo bonito.

Ricardo Martensen e Felipe Tomazelli investem no simbolismo atrelado à resistência incondicional do protagonista. Seu Chico representa, de certa maneira, os malabarismos que o próprio cinema teve de fazer ao longo de sua existência para sobreviver. Se a chamada sétima arte já foi ameaçada por diversos “concorrentes” que 'prometiam" tirar-lhe inapelavelmente do circuito, ele também precisou moldar-se frequentemente para sustentar de pé o seu ideal, a sua paixão. Cine São Paulo documenta a teimosia bem-vinda de um homem determinado a não se dobrar, ainda que para isso seja inevitável penhorar suas economias. A não participação da esposa, contrária ao investimento para a revitalização desse lugar sem muitas perspectivas de lucratividade, é tratada com pesar por Seu Chico. Já a ajuda de uma funcionária municipal é valorizada, tida como imprescindível, ou seja, ele não está totalmente sozinho nesta jornada quixotesca para devolver a telona à cidade de Dois Córregos, no interior de São Paulo.

A relação entre o antigo e o novo se torna mais tangível com a chegada do projetor doado, substituto do original movido a carvão. Embora longe do digital, ainda se valendo da boa e velha película, cada engrenagem atual é um desafio ao aprendizado. Próximo do fim de Cine São Paulo surge um forte ruído entre Seu Chico e a equipe do documentário que insistiu em filmar um evento marcado por um suspense “hitchcockiano. Ele coloca em xeque a intenção dos cineastas, acusando-os de guiarem-se tão e somente por seus objetivos, deflagrando um possível conflito de interesses. Inserir isso no filme é, antes de mea culpa, manter entreaberta uma porta para discutir a ética e os seus meandros. Longe de se insurgir como tema, esse dado mostra a disposição diretiva em incorporar dramaticamente à estrutura do longa-metragem os imprevistos, exatamente como o quase insucesso de uma projeção emblemática para o Cine São Paulo, este símbolo de perseverança e, especialmente, de amor pelo cinema.

Nota da crítica

3.5/5

avatar

Marcelo Müller é crítico de cinema, membro da ACCRJ - Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro, da ABRACCINE - Associação Brasileira de Críticos de Cinema, e professor da Escola de Cinema Darcy Ribeiro - RJ. Além disso, comenta semanalmente as principais estreias cinematográficas na Rádio Nacional do Rio AM 1130.

Mande um mail para Marcelo

Veja outros textos assinados por Marcelo Müller

Ficha Técnica

NOME ORIGINAL: Cine São Paulo

PAÍS DE ORIGEM: Brasil

ANO: 2017

DURAÇÃO: 78 min

GÊNERO: Documentário

DIREÇÃO: Ricardo Martensen, Felipe Tomazelli

ROTEIRO: Ricardo Martensen, Felipe Tomazelli

FOTOGRAFIA: Ricardo Martensen

MONTAGEM: Yuri Amaral

MÚSICA: Pedro Salles Santiago

PRODUÇÃO: Driades Rosa

Sinopse

Desde 1940, quando seu pai comprou um cinema na cidade de Dois Córregos, a vida de Francisco Teles foi definida por esse lugar. A sala, que já teve diversos nomes, mortes e ressurreições, é o símbolo vivo da passagem do projetor a carvão ao digital, da resistência diante da TV e do videocassete e também da memória afetiva na cidade.

Curiosidades

- Selecionado para o Festival de Documentários É Tudo Verdade 2017;

  • Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

  • "Velozes e Furiosos 8" (Universal)

    2ªSemana: 1,7 milhão de espectadores

    Público Total: 5,1 milhões de espectadores

  • "A Cabana" (Paris)

    3ªSemana: 621 mil espectadores

    Público Total: 2,4 milhões de espectadores

  • "O Poderoso Chefinho" (Fox)

    4ªSemana: 372 mil espectadores

    Público Total: 2,4 milhões de espectadores

  • "Os Smurfs e a Vila Perdida" (Sony)

    3ªSemana: 241 mil espectadores

    Público Total: 1,1 milhão de espectadores

  • "A Bela e a Fera" (Disney)

    6ªSemana: 225 mil espectadores

    Público Total: 8 milhões de espectadores

  • "Velozes e Furiosos 8" (Universal)

    2ªSemana: US$ 38,6 milhões

    Bilheteria Total: US$ 163,5 milhões

  • "O Poderoso Chefinho" (Fox)

    4ªSemana: US$ 12,7 milhões

    Bilheteria Total: US$ 136,9 milhões

  • "A Bela e a Fera" (Disney)

    6ªSemana: US$ 9,9 milhões

    Bilheteria Total: US$ 471 milhões

  • "Born in China" (Disney)

    Estreia: US$ 5,1 milhões

    Bilheteria Total: US$ 24,7 milhões

  • "Despedida em Grande Estilo" (Warner)

    3ªSemana: US$ 5 milhões

    Bilheteria Total: US$ 31,7 milhões