O nosso papo é de cinema!


Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock’n’roll

28/10/2014    

 

Crítica

Apocalípticos de plantão já pregaram que a animação em 2D está com seus dias contados. Uma opinião que poderia ser abalizada pelo sucesso dos filmes realizados por computador, feitos de forma mais rápida. No entanto, se o mercado do bom e velho desenho rabiscado em um papel que ganha vida com os 24 quadros por segundo do cinema não é tão comum quanto era antigamente, a culpa não é da plataforma.

Por essas e outras que é tão louvável uma produção como Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock'n'Roll. O longa-metragem dirigido por Otto Guerra, baseado nos personagens clássicos de Angeli, prova que é possível fazer filmes interessantes usando poucos recursos e boas ideias. Não espere ver uma animação Disney ao conferir o desenho animado produzido no Sul. Muito longe disso. Os traços dos personagens são bastante limitados e não temos bichinhos cantando músicas alegres (o porco não conta). E é por estar tão distante de uma animação padrão que Wood & Stock diverte tanto. O linguajar rasteiro e a total inconsequência dos personagens são motivos suficientes para boas risadas. E a dublagem, então, é um show a parte.

Rita Lee interpreta Rê Bordosa com uma voz rouca que encaixa perfeitamente com a personagem. Ninguém mais faria um trabalho tão preciso quanto a cantora. Outro destaque fica para Júlio Andrade como o filho careta Overall. Já Zé Victor Castiel e Sepé Tiaraju defendem bem seus Wood e Stock, respectivamente. Fechando os elogios sonoros, a trilha com diversas músicas de Júpiter Maçã acerta em cheio por casar a psicodelia do ex-cascavelette com a loucura hippie do longa-metragem. Faixas dos Mutantes foram pensadas originalmente para figurar na trilha, mas o valor proibitivo dos direitos das músicas fizeram com que os produtores seguissem outro caminho - acertado, felizmente.

Para quem ficou curioso quanto a sinopse, lá vai: Em 1972, durante a festa de ano novo, os ripongas Wood, Stock, Rê Bordosa, Lady Jane, entre outros, estão comemorando a virada, com muito sexo, drogas e rock'n'roll. Trinta anos depois, as coisas estão um pouco mudadas. Com responsabilidades, os hippies de meia idade não sabem direito como se virar. Para relembrar os velhos tempos, Wood e Stock resolvem remontar sua banda da juventude, para ver se descolam uma grana. Enquanto isso, uma serial fucker tem acabado com a população masculina do local. Quem será a pervertida por trás disso?

Bem escrito e com algumas piadas que funcionam, a falta de ritmo é o único problema de Wood & Stock. Em alguns momentos, a narrativa quase rasteja. Mesmo tendo apenas 81 minutos, a impressão que fica é que o longa poderia ter uma duração ainda mais curta, para não perder tanto o fôlego. De qualquer forma, é magnífico ver que uma produção adulta deste calibre tenha sido produzida no Brasil.

Nota da crítica

4/5

avatar

Rodrigo de Oliveira é crítico de cinema, membro da ACCIRS - Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul. Jornalista, produz e apresenta o programa de cinema Moviola, transmitido pela Rádio Unisinos FM 103.3. É também editor do blog Paradoxo.

Mande um mail para Rodrigo

Veja outros textos assinados por Rodrigo de Oliveira

Ficha Técnica

NOME ORIGINAL: Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock'n'roll

PAÍS DE ORIGEM: Brasil

GÊNERO: Animação

DURAÇÃO: 81 minutos

ANO: 2006

DIREÇÃO: Otto Guerra

ROTEIRO: Angeli e Rodrigo John

EDIÇÃO: Otto Guerra, Rodrigo John e Marta Machado

MÚSICA: Matheus Walter e Flu

DIREÇÃO DE ARTE: Angeli, Jack Kaminski e Marco Pilar

PRODUÇÃO: Otto Guerra e Marta Machado

ESTÚDIO: Otto Desenhos Animados Ltda.

SITE OFICIAL: http://www.woodstock.etc.br/

ELENCO: Zé Victor Castiel, Sepé Tiaraju de Los Santos, Rita Lee, Tom Zé, Michele Frantz, Felipe Mônaco, Janaína Kremer, Leonardo Machado, Julio Andrade

Sinopse

Em 1972, durante a festa de ano novo, os ripongas Wood, Stock, Rê Bordosa, Lady Jane, entre outros, estão comemorando a virada, com muito sexo, drogas e rock'n'roll. Trinta anos depois, as coisas estão um pouco mudadas. Com responsabilidades, os hippies de meia idade não sabem direito como se virar. Para relembrar os velhos tempos, Wood e Stock resolvem remontar sua banda da juventude, para ver se descolam uma grana.

Curiosidades

- A trilha sonora é composta por diversos clássicos da música nacional como Arnaldo Baptista, Rita Lee, Tom Zé, Os Novos Baianos e conta ainda com a inclusão de canções do músico gaúcho Júpiter Maçã;

- Exibido fora de competição durante o Festival de Cinema de Gramado;

- Vencedor de três prêmios no Cine PE - Festival de Pernambuco em 2006: Melhor Atriz Coadjuvante (Rita Lee), Melhor Trilha Sonora e Prêmio Especial do Júri;

- Teve sua classificação indicativa mudada de 18 para 16 anos pelo Ministério da Justiça;

- Baseado em personagens criados por Angeli.

  • Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

  • "Velozes e Furiosos 8" (Universal)

    2ªSemana: 1,7 milhão de espectadores

    Público Total: 5,1 milhões de espectadores

  • "A Cabana" (Paris)

    3ªSemana: 621 mil espectadores

    Público Total: 2,4 milhões de espectadores

  • "O Poderoso Chefinho" (Fox)

    4ªSemana: 372 mil espectadores

    Público Total: 2,4 milhões de espectadores

  • "Os Smurfs e a Vila Perdida" (Sony)

    3ªSemana: 241 mil espectadores

    Público Total: 1,1 milhão de espectadores

  • "A Bela e a Fera" (Disney)

    6ªSemana: 225 mil espectadores

    Público Total: 8 milhões de espectadores

  • "Velozes e Furiosos 8" (Universal)

    2ªSemana: US$ 38,6 milhões

    Bilheteria Total: US$ 163,5 milhões

  • "O Poderoso Chefinho" (Fox)

    4ªSemana: US$ 12,7 milhões

    Bilheteria Total: US$ 136,9 milhões

  • "A Bela e a Fera" (Disney)

    6ªSemana: US$ 9,9 milhões

    Bilheteria Total: US$ 471 milhões

  • "Born in China" (Disney)

    Estreia: US$ 5,1 milhões

    Bilheteria Total: US$ 24,7 milhões

  • "Despedida em Grande Estilo" (Warner)

    3ªSemana: US$ 5 milhões

    Bilheteria Total: US$ 31,7 milhões