O nosso papo é de cinema!


Tudo Pelo Poder

16/11/2011    

 

Crítica

No campo da política, em que muito se conhece acerca de seus vícios e virtudes, mudar os personagens não significa contar uma nova história. O desafio, pelo contrário, está justamente em, diante do mesmo tema, conseguir renovar a tensão que permeia as suas relações. Esta é a tarefa de Tudo pelo poder (The Ides of Match, 2011).

Estamos em meio às eleições que definirão o futuro presidente dos Estados Unidos. No processo eleitoral americano, diferentemente dos países cuja soma total dos votos é decisiva, a primeira disputa, dentro do próprio partido, torna-se crucial. A conquista dos colégios eleitorais está, pois, no caminho de quem almeja chegar à Casa Branca.

Acompanhamos a disputa interna do partido Democrata pela figura do assessor de imprensa Stephen Meyers (Ryan Gosling). Em um enfrentamento de superficialidades –  visão preferida do cinema americano ao abordar o jogo político – o talentoso Meyers é um trunfo indispensável para Mike Morris (George Clooney), governador da Pensilvânia, vencer o senador Pullman (Michael Mantell). Contratado pelo amigo e coordenador da campanha, Paul Zara (Philip Seymour Hoffman), o trabalho de Stephen ultrapassa o dever de erigir a imagem de um candidato coerente, competente e confiável, e torna-se imprescindível ao passo que seu realismo equilibra o otimismo desenfreado dos bastidores.

Nas primeiras parciais, o governador de retórica suspeita e posições titubeantes aparece em vantagem. A oposição logo percebe que se o empenho do assessor pode influenciar diretamente as primárias, então o adversário a ser batido talvez não seja Morris e, sim, Meyers. Em política, a precaução é agir. Por isso, Tom Duffy (Paul Giamatti), responsável pela campanha de Pullman, entra em contato com Stephen. Experiente no ramo, Duffy mostra a verdade sobre o desenrolar das eleições: por mais que trabalhe, de nada servirá seu esforço se Morris não aceitar ceder um cargo importante para o senador Thompson (Jeffrey Wright). Ambos sabem que essa concessão está fora dos planos do governador, pois colocaria em jogo a governança e os destinos do seu mandato. Sendo assim, se ainda quiser estar do lado vencedor, Meyers deve juntar-se a Duffy.

Baseado na peça Farragut North, de Beau Willimon, o roteiro escrito por George Clooney, Grant Heslov e Beau Willimon prima por um enredo muito bem estruturado, no qual os traços de personalidade bem definidos facilitam, apesar da quantidade de informação tradicional dos thrillers políticos, o reconhecimento dos personagens. A articulação da narrativa se desenvolve a partir da constante agregação de novos elementos, como a atração que a estagiária Molly (Evan Rachel Woods) desenvolve pelo assessor. A cada novo ponto de problematização, a iminência das tomadas de decisão intensifica a complexidade psicológica do protagonista.

Ciente da experiência que nos proporciona – tematicamente semelhante a de Confissões de uma mente perigosa (Confessions of a dangerous mind, 2002) e Boa noite e Boa Sorte (Good Night and Good Luck, 2005) -, Clooney repete a direção sóbria e elegante de projetos anteriores. A trajetória do diretor em frente às câmeras se reflete no ótimo resultado da composição da mise-en-scène. Outro ponto positivo, o cuidado na alternância e duração dos planos confere à câmera uma organicidade narrativa rara. Discreto, o registro fotográfico somente se faz perceber quando necessário para complementar a tensão dos momentos centrais da dramaturgia, como na decisão sobre a permanência de Zara na coordenação da campanha e no enfrentamento de Morris e Meyers.

Tudo pelo poder não apresenta nenhuma novidade. Não adentramos no novo mundo da política, repleto de condutas íntegras e sentimentos nobres. Estaremos envolvidos no que conhecemos de O Candidato (The Candidate, Michael Ritchie, 1972), Segredos do poder (Primary Colors, Mike Nichols, 1998) e Nixon (Oliver Stone, 1995).  Estes diálogos, por sua vez, engrandecem a obra de Clooney. Por sorte, um bom filme prescinde de qualquer inovação.

Nota da crítica

4/5

avatar

Willian Silveira é crítico de cinema, membro da ACCIRS - Associação dos Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul, e da ABRACCINE - Associação Brasileira de Críticos de Cinema. Tem formação em Filosofia e em Letras, estudou cinema na Escola Técnica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Acumulou experiências ao trabalhar como produtor, roteirista e assistente de direção de curtas-metragens.

Mande um mail para Willian

Veja outros textos assinados por Willian Silveira

Ficha Técnica

NOME ORIGINAL: The Ides of March

PAÍS DE ORIGEM: EUA

ANO: 2011

DIREÇÃO: George Clooney

ROTEIRO: George Clooney, Grant Heslov, Beau Willimon, Beau Willimon

EDIÇÃO: Stephen Mirrione

FOTOGRAFIA: Phedon Papamichael

MÚSICA: Alexandre Desplat

DIREÇÃO DE ARTE: Chris Cornwell

FIGURINO: Louise Frogley

PRODUÇÃO: George Clooney, Leonardo DiCaprio, Guy East, Barbara A. Hall, Grant Heslov, Jennifer Davisson Killoran, Randy Manis, Brian Oliver, Stephen Pevner, Ari Daniel Pinchot, Jonathan Rubenstein, Matthew Salloway, Nigel Sinclair, Todd Thompson, Tyler Thompson, Nina Wolarsky

ESTÚDIO: Cross Creek Pictures, Exclusive Media Group, Smoke House

SITE OFICIAL: idesofmarch-movie.com

ELENCO: Ryan Gosling, George Clooney, Philip Seymour Hoffman, Paul Giamatti, Evan Rachel Wood, Marisa Tomei, Jeffrey Wright, Max Minghella, Jennifer Ehle, Gregory Itzin, Michael Mantell

Sinopse

Stephen (Ryan Gosling) era um jovem idealista que trabalhava como assessor de imprensa de um candidato (George Clooney) ao cargo de presidente, mas todos seus sonhos vão por água abaixo quando ele começa a entrar em contato com os bastidores de uma corrida para a vitória numa disputa política.

Curiosidades

- O ator Leonardo DiCaprio tinha sido escolhido para o papel principal de Stephen Meyers, mas desistiu da ideia, permanecendo no projeto como produtor executivo;

- O estúdio Sony Pictures preferia que o filme chegasse nos cinemas com o título original da peça, por ser mais conhecido do público, mas acabaram aceitando a ideia de George Clooney de batizar o filme de The Ides of March.

  • Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

  • "Mulher-Maravilha" (Warner)

    3ªSemana: 1,1 milhão de espectadores

    Público Total: 4,8 milhões de espectadores

  • "A Múmia" (Universal)

    2ªSemana: 705 mil espectadores

    Público Total: 1,9 milhões de espectadores

  • "Baywatch" (Paramount)

    Estreia: 253 mil espectadores

    Público Total: 264 mil espectadores

  • "Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar" (Disney)

    4ªSemana: 251 mil espectadores

    Público Total: 3,3 milhões de espectadores

  • "Um Tio Quase Perfeito" (H2O)

    Estreia: 184 mil espectadores

    Público Total: 184 mil espectadores

  • "Carros 3" (Disney/Pixar)

    Estreia: US$ 53,5 milhões

    Bilheteria Total: US$ 53,5 milhões

  • "Mulher-Maravilha" (Warner)

    3ªSemana: US$ 40,7 milhões

    Bilheteria Total: US$ 274,6 milhões

  • "All Eyez on Me" (Lionsgate)

    Estreia: US$ 27 milhões

    Bilheteria Total: US$ 27 milhões

  • "A Múmia" (Universal)

    2ªSemana: US$ 13,9 milhões

    Bilheteria Total: US$ 56,5 milhões

  • "47 Meters Down" (ENTMP)

    Estreia: US$ 11,5 milhões

    Bilheteria Total: US$ 11,5 milhões