O nosso papo é de cinema!


Sem Limites

27/12/2011    

 

Crítica

Está cada vez mais comum astros da televisão norte-americana se estabelecerem em Hollywood. O que não quer dizer, no entanto, que esse seja um processo fácil. Mas Bradley Cooper parece ter conseguido fazer esta transição com tranquilidade, e o thriller Sem Limites é uma boa prova disso. Bem movimentado, com uma trama engenhosa e repleta de reviravoltas e coadjuvantes de luxo, Cooper assume o papel de protagonista definitivo com muita segurança, mostrando-se apto a vôos ainda maiores e mais desafiadores.

E se uma pílula conseguisse te transformar em um homem rico e poderoso?” Essa é a frase que colabora na divulgação de Sem Limites, um filme que parte de um pressuposto meio fantasioso, porém não inverossímil: e se a indústria farmacêutica conseguisse produzir um remédio que nos auxiliasse a melhor aproveitar o potencial do cérebro humano? Hoje estudos comprovam que conseguimos acessar menos de 10% da nossa capacidade. Liberando 100% do que possuímos, seríamos capazes de lembrar de tudo, aprender tudo, identificar tudo, criar tudo. Ou seja, nos tornaríamos cidadãos completamente acima da média. E, dessa forma, tudo estaria muito mais facilmente ao nosso alcance, principalmente em assuntos que envolvem estudo e boa percepção, como a bolsa de valores e jogos de azar. E é por esse caminho que Eddie Morra (Cooper) irá seguir.

De escritor fracassado, dono de um contrato para um livro que ele não consegue escrever e recém abandonado pela ex-namorada, Morra se transforma num homem bem sucedido, autor de um best seller e mestre das finanças. Mas, ao mesmo tempo em que precisa lidar com os efeitos colaterais do remédio milagroso – na verdade, uma droga experimental e viciante – ele terá que se desvencilhar daqueles que estão atrás dele para conseguir o segredo desse sucesso aparentemente repentino. Um jogo de aparências que pode significar uma linha muito tênue entre vida, morte e sanidade mental.

Sem Limites é um projeto menor, mas que chegou aos cinemas tomado por um cuidado muito especial. Essa época do ano é um período particularmente delicado, pois há pouco saímos da temporada do Oscar – com os filmes mais elogiados do ano – e ainda não entramos na corrida dos blockbusters, quando as superproduções entram em cartaz arrebatando milhões e atropelando concorrentes. Assim, com o mercado aparentemente em baixa, qualquer um que consiga se destacar e chamar atenção irá captar uma fatia do público carente por boas histórias e astros em ascensão. Ou seja, justamente esse caso. E se o filme peca por alguns excessos – beber sangue, não! – ao menos é dinâmico o suficiente para prender o espectador, que permanece ligado a cada novo acontecimento. E sai da história se perguntando: “faria eu diferente se fosse comigo?

Além de ter passado praticamente ileso pela crítica especializada, que apontou a originalidade do roteiro e o carisma do protagonista como pontos principais, Sem Limites fez bonito também nas bilheterias, tendo estreado em primeiro lugar nos Estados Unidos, com uma arrecadação inicial de quase US$ 20 milhões – baixa, mas respeitável, ainda mais se levarmos em conta que o orçamento total foi de US$ 27 milhões. E muito se deve também aos outros créditos envolvidos, com o diretor Neil Burger (autor do interessante O Ilusionista, com Edward Norton), que sabe para onde ir e o que exigir do seu elenco, e os coadjuvantes Abbie Cornish (de Candy e do ainda inédito W.E., produção dirigida por Madonna sobre o romance entre a plebéia Wally Winthrop e o Rei Edward VIII da Inglaterra) e, principalmente, Robert De Niro, que mesmo num papel pequeno oferece um ar ameaçador e envolvente, digno do talento do seu intérprete. Por fim, temos uma conjunção de fatores num produto acima da média, que entretém e faz pensar de forma leve e divertida, com muita competência. E, de bônus, somos apresentados a um novo astro que tem tudo para se consagrar num futuro bastante próximo.

Nota da crítica

3.5/5

avatar

Robledo Milani é crítico de cinema, presidente da ACCIRS - Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul (gestão 2016-2018), e membro fundador da ABRACCINE - Associação Brasileira de Críticos de Cinema. Já atuou na televisão, jornal, rádio, revista e internet. Participou como autor dos livros Contos da Oficina 34 (2005) e 100 Melhores Filmes Brasileiros (2016). Criador e editor-chefe do portal Papo de Cinema.

Mande um mail para Robledo

Veja outros textos assinados por Robledo Milani

Ficha Técnica

NOME ORIGINAL: Limitless

PAÍS DE ORIGEM: EUA

ANO: 2011

DIREÇÃO: Neil Burger

ROTEIRO: Leslie Dixon

EDIÇÃO: Tracy Adams, Naomi Geraghty

FOTOGRAFIA: Jo Willems

MÚSICA: Paul Leonard-Morgan

FIGURINO: Jenny Gering

PRODUÇÃO: Bradley Cooper, Ricardo Del Rio, Leslie Dixon, Jason Felts, Ken Halsband, Ryan Kavanaugh, Scott Kroopf, Patty Long, Patrick Peach, Tucker Tooley

ESTÚDIO: Relativity Media, Virgin Produced, Rogue

SITE OFICIAL: http://www.iamrogue.com/limitless

ELENCO: Bradley Cooper, Robert De Niro, Abbie Cornish, Andrew Howard, Anna Friel, Johnny Whitworth, Tomas Arana, Robert John Burke, Darren Goldstein, Ned Eisenberg, T.V. Carpio, Richard Bekins, Patricia Kalember, Cindy Katz, Brian Anthony Wilson, Rebecca Dayan, Ann Marie Green, Damali Mason, Meg McCrossen, Tom Bloom

Sinopse

Eddie Morra (Bradley Cooper) sofre de bloqueio de escritor. Um dia, ele reencontra na rua seu ex-cunhado, Vernon (Johnny Whitworth), que lhe apresenta um remédio revolucionário que permite o uso de 100% da capacidade cerebral. O efeito é imediato em Eddie, pois ele passa a se lembrar de tudo que já leu, ouviu ou viu em sua vida. A partir de então ele consegue aprender outras línguas, fazer cálculos complicados e escrever muito rapidamente, mas para manter este ritmo precisa tomar o remédio todo dia. Seu desempenho chama a atenção do empresário Carl Van Loon (Robert De Niro), que resolve contar com sua ajuda para fechar um dos maiores negócios da história.

Curiosidades

- O Orçamento de produção custou US$ 27 milhões e os ganhos em bilheterias no mundo todo foram de US$ 161 milhões.

  • Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

  • "A Bela e a Fera" (Disney)

    Estreia: 2 milhões de espectadores

    Público Total: 2 milhões de espectadores

  • "Logan" (Fox)

    3ªSemana: 738 mil espectadores

    Público Total: 5,2 milhões de espectadores

  • "Kong: A Ilha da Caveira" (Warner)

    2ªSemana: 401 mil espectadores

    Público Total: 1,3 milhão de espectadores

  • "Cinquenta Tons Mais Escuros" (Universal)

    6ªSemana: 43 mil espectadores

    Público Total: 4,5 milhões de espectadores

  • "A Grande Muralha" (Universal)

    4ªSemana: 42 mil espectadores

    Público Total: 1,6 milhão de espectadores

  • "A Bela e a Fera" (Disney)

    Estreia: US$ 170 milhões

    Bilheteria Total: US$ 170 milhões

  • "Kong: A Ilha da Caveira" (Warner)

    2ªSemana: US$ 28,8 milhões

    Bilheteria Total: US$ 110 milhões

  • "Logan" (Fox)

    3ªSemana: US$ 17,5 milhões

    Bilheteria Total: US$ 184 milhões

  • "Get Out" (Universal)

    4ªSemana: US$ 13,2 milhões

    Bilheteria Total: US$ 133 milhões

  • "A Cabana" (Lionsgate)

    3ªSemana: US$ 6,1 milhões

    Bilheteria Total: US$ 42,6 milhões