O nosso papo é de cinema!


Se Beber Não Case! Parte II

26/12/2011    

 

Crítica

Sabe qual é a razão de Se Beber, Não Case – Parte 2 ser tão bom? Bem, primeiro porque em time que está ganhando não se mexe – e é exatamente o que acontece aqui! Afinal, este segundo filme é praticamente idêntico ao anterior! E depois porque o diretor Todd Phillips, ao lado dos roteiristas Craig Mazin e Scot Armstrong, conseguiu criar uma nova trama que, mesmo partindo dos mesmos elementos já utilizados antes, possui a capacidade de soar nova e inédita. E, assim, a curiosidade do público se renova, da mesma forma que o interesse pelo que aconteceu – e pelo que ainda pode acontecer – a esta trinca de personagens tão lesados quanto afortunados. Afinal, não é qualquer um que sobrevive duas vezes a tudo o que eles passaram!

Se em Se Beber, Não Case! quatro amigos tomavam o maior porre de suas vidas em Las Vegas nas vésperas do casamento de um deles e acordavam no dia seguinte sem a menor noção do que havia acontecido e nem do paradeiro do noivo, agora, em Se Beber, Não Case! – Parte 2 o que se passa é exatamente a mesma coisa, com pouquíssimas e insignificantes alterações. Troque Las Vegas pela Tailândia, o desaparecido dessa vez é o irmão da noiva, e a missão dos três restantes – o galã Phil (Bradley Cooper, de Sem Limites), o atrapalhado Stu (Ed Helms, do seriado The Office) e o retardado Alan (Zach Galifianakis, de Um Parto de Viagem) – continua ser esclarecer a noite anterior e entender certas situações, como o que faz um macaco com eles, como o traficante Mr. Chow (Ken Jeong) foi parar ali, por que um bairro inteiro da cidade quer vê-los longe, como um deles foi parar com uma tatuagem a la Mike Tyson no rosto e o que fez o outro raspar completamente a cabeça? E estas são apenas as dúvidas principais, dentre tantas outras, que vão surgindo no decorrer do novo dia.

O grande diferencial de Se Beber, Não Case!, tanto o primeiro quanto esse segundo filme, seja o fato de ser uma comédia adulta, feita por adultos e para adultos. Parece um pouco redundante, mas essa ordem faz toda a diferença. Aqui nada é perdoado, amenizado ou tratado de forma mais branda, para não chocar os ingênuos ou desavisados. Afinal, são homens adultos envolvidos numa aventura em que o sexo, as drogas, o dinheiro e demais transgressões são questões comuns do dia a dia, sem aumentá-las ou diminuí-las além do que realmente significam. Nada é visto de forma glorificada ou, ao contrário, desprezado e subjugado. O que está na tela é o que qualquer um de nós, do lado de cá, estaríamos enfrentando se estivéssemos na mesma situação. Nada de heróis, santos ou vilões. Apenas pessoas comuns, tentando talvez um pouco além da conta viver alguns momentos realmente excitantes. Estes aqui conseguem. E como!

Dentre as novidades apresentadas em Se Beber, Não Case! – Parte 2, poucas realmente se justificam. Talvez a melhor delas seja mesmo a sequência de meditação em que Alan os vê como crianças – afinal, essa é a idade mental dele próprio! Dentre as participações especiais, nenhuma chega a gerar grande furor – Paul Giamatti resulta num anticlímax, Tyson é figurinha repetida, e quem é Nick Cassavetes enquanto ator? No final, o que temos é uma versão anos dois mil do clássico dos anos 80 Três Amigos, com Chevy Chase, Martin Short e Steve Martin, porém com muito mais pimenta, inconseqüência e verdadeira graça. É de doer a barriga de tanto rir. E o que importa se a piada continua sendo engraçada, mesmo que contada pela segunda vez? Se a terceira seguir na mesma linha, que venha de uma vez!

Nota da crítica

4/5

avatar

Robledo Milani é crítico de cinema, presidente da ACCIRS - Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul (gestão 2016-2018), e membro fundador da ABRACCINE - Associação Brasileira de Críticos de Cinema. Já atuou na televisão, jornal, rádio, revista e internet. Participou como autor dos livros Contos da Oficina 34 (2005) e 100 Melhores Filmes Brasileiros (2016). Criador e editor-chefe do portal Papo de Cinema.

Mande um mail para Robledo

Veja outros textos assinados por Robledo Milani

Ficha Técnica

NOME ORIGINAL: The Hangover Part II

PAÍS DE ORIGEM: EUA

ANO: 2011

DIREÇÃO: Todd Phillips

ROTEIRO: Craig Mazin, Scot Armstrong, Todd Phillips

EDIÇÃO: Debra Neil-Fisher, Michael L. Sale

FOTOGRAFIA: Lawrence Sher

MÚSICA: Christophe Beck

DIREÇÃO DE ARTE: Desma Murphy, Philip Toolin

FIGURINO: Louise Mingenbach

PRODUÇÃO: Scott Budnick, Joseph Garner, Daniel Goldberg, Jon Jashni, Chris Lowenstein, Todd Phillips, David Siegel, J.C. Spink, Thomas Tull, Vineet, Jeffrey Wetzel,

ESTÚDIO: Warner Bros. Pictures, Legendary Pictures, Green Hat Films

SITE OFICIAL: hangoverpart2.warnerbros.com

ELENCO: Bradley Cooper, Ed Helms, Zach Galifianakis, Justin Bartha, Ken Jeong, Paul Giamatti, Mike Tyson, Jeffrey Tambor, Mason Lee, Jamie Chung, Sasha Barrese, Gillian Vigman, Aroon Seeboonruang, Nirut Sirichanya, Yasmin Lee, Nick Cassavetes, Sondra Currie, Schnitrnunt Busarakamwong, Bryan Callen, Brody Stevens, Nimit Luksameepong, Michael Berry Jr., Andrew Howard

Sinopse

Depois de uma farra inesquecívelem Las Vegas, Phil (Bradley Cooper), Stu (Ed Helms), Alan (Zach Galifianakis) e Doug (Justin Bartha) seguiram com sua vidas. Mas o bom e velho Stu está disposto a se casar novamente, desta vez com Lauren (Jamie Chung) e o local escolhido para a cerimônia foi a exótica Tailândia. Mas o que era para ser uma simples despedida de solteiro acabou se transformando em outra aventura muito louca, só que agora num país diferente, com suas proprias regras e a promessa de ser "marcante".

Curiosidades

- O ator e diretor Nick Cassavetes (Diário de uma Paixão) entrou no lugar de Liam Neeson em abril de 2011;

- Com um orçamento de US$ 80 milhões, a produção faturou US$ 581milhões em bilheterias do mundo todo.

  • Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>