O nosso papo é de cinema!


O Saltimbancos Trapalhões: Rumo a Hollywood

11/01/2017    

 

Crítica

Reinvenção de Os Saltimbancos Trapalhões (1981), provavelmente a melhor realização cinematográfica da trupe composta por Didi, Dedé, Mussum e Zacarias, este Os Saltimbancos Trapalhões: Rumo a Hollywood faz bonito, seja ao transitar por caminhos novos, ou mesmo na intenção de acessar a memória afetiva do público saudoso do original. Igualmente inspirado na peça teatral Os Saltimbancos, de Sergio Bardotti e Luis Enríquez Bacalov, por sua vez uma adaptação do conto Os Músicos de Bremen, dos Irmãos Grimm, o filme conta uma história ligeiramente diferente, já que a grande dificuldade aqui é sustentar a lona armada diante dos novos tempos, nos quais as apresentações com animais não são bem vistas. Sem condições de manter o espetáculo funcionando, o Barão (Roberto Guilherme) decide deixar a administração nas mãos de Satã (Marcos Frota), ele que, por sua vez, arrenda o espaço para toda sorte de eventos eleitoreiros.

O diretor João Daniel Tikhomiroff consegue preservar o romantismo nessa otimista mensagem de resistência. Em meio a cenários estilizados – algo que, em princípio, incomoda um pouco, por deflagrar uma inverossimilhança no que tange à problematizada situação financeira do circo – Didi surge como o salvador da pátria, aquele que, inspirado por diálogos com animais durante o sono, resolve ir contra a maré e montar um espetáculo protagonizado por pessoas vestidas de bichos. Ele tem a ajuda imprescindível de Karina (Letícia Colin), a herdeira que retorna devidamente formada da metrópole para evitar a interrupção do show. Os Saltimbancos Trapalhões: Rumo a Hollywood, então, tem viço próprio, principalmente no que concerne a essa desbragada declaração de amor pela arte, seja a circense ou mesmo a do cinema. Aliás, não são poucas as referências a filmes, sem contar a passagem por Hollywood.

A meca da sétima arte estadunidense é o desejo de Didi e companhia. Não à toa, num sonho, Karina tem uma experiência análoga a de Cecilia, personagem de Mia Farrow em A Rosa Púrpura do Cairo, de Woody Allen. O diálogo inventado entre os habitantes da tela e o espectador, reproduzido por Tikhomiroff para reforçar desta vez, não o possível refúgio dos problemas na seara ficcional, mas a relação umbilical entre a plateia e o que a luz projeta, é outro indício de que Os Saltimbancos Trapalhões: Rumo a Hollywood se propõe a tecer loas aos artistas e ao nobre produto de seus esforços, cuja existência é fundamental. Os elaborados números musicais, minuciosamente coreografados, bem como a cantoria precisamente afinada dos coros amenizam ligeiramente o caráter mambembe do longa-metragem, é verdade. Todavia, o desempenho do elenco e, sobretudo, a centralidade de Didi e Dedé para o sucesso da empreitada dos fieis à mítica do circo, garantem o bom resultado.

Difícil não lembrar-se das trapalhadas de Mussum e Zacarias, especialmente quando todos entoam a emblemática canção Piruetas. Não que os novos atores façam feio, longe disso. Letícia Colin é uma Karina solar, jovial; Marcos Frota sai-se muito bem como o vilão caricato; Alinne Moraes e Maria Clara Gueiros têm seus instantes de brilho, assim como o grande Roberto Guilherme, espécie de quinto trapalhão, cuja participação é determinante, e Livian Aragão, a filha de Renato, que apresenta evidentes sinais de evolução como atriz. Mas, é na interação entre Didi e Dedé, não mais acrobáticos em virtude da idade, mas representando a excelência de um humor espontâneo, quase sem espaço nos dias de hoje, que Os Saltimbancos Trapalhões: Rumo a Hollywood alcança suas mais altas notas. A paixão vencendo a ganância e a verdade triunfando sobre a mentira parecem coisas meio fora de moda, e infelizmente são, mas estão totalmente alinhadas com o ideário e o estilo do grupo que nos trouxe alegria por décadas.

Nota da crítica

3.5/5

avatar

Marcelo Müller é crítico de cinema, membro da ACCRJ - Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro, da ABRACCINE - Associação Brasileira de Críticos de Cinema, e professor eventual da Academia Internacional de Cinema. Além disso, comenta semanalmente as principais estreias cinematográficas na Rádio Nacional do Rio AM 1130.

Mande um mail para Marcelo

Veja outros textos assinados por Marcelo Müller

Ficha Técnica

saltimbancos-papo-de-cinema-cartazNOME ORIGINAL: O Saltimbancos Trapalhões: Rumo a Hollywood

PAÍS DE ORIGEM: Brasil

ANO: 2017

DURAÇÃO: 98 min

GÊNERO: Comédia, Musical

DIREÇÃO: João Daniel Tikhomiroff

ROTEIRO: Mauro Lima

FOTOGRAFIA: Hélcio Alemão Nagamine

MONTAGEM: Leticia Giffoni

ESTÚDIO: Figura Media, Globo Filmes, Mixer

PRODUÇÃO: Eliane Ferreira

ELENCO: Renato Aragão, Alinne Moraes, Livian Aragão, Letícia Colin, Emilio Dantas, Dedé Santana, Marcos Frota, Maria Clara Gueiros, Roberto Guilherme, Rafael Vitti

Sinopse

O Grande Circo Sumatra está em meio a uma grande crise financeira desde a proibição de animais em espetáculos e Barão, dono do circo, acaba aceitando fazer leilões de gado, comícios e outros eventos alternativos no circo. Didi e Karina, artistas do circo, estão infelizes com a situação e decidem montar um novo número e, assim, tentar atrair o público novamente.

Curiosidades

- Reinvenção do filme homônimo de 1981;

- As instalações circenses utilizadas no filme são do ator Marcos Frota;

  • Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>