O nosso papo é de cinema!


O Novato

09/10/2016    

 

Crítica

Você já viu este filme antes: um jovem tímido é transferido para uma nova escola, onde passa por diferentes testes, luta contra os valentões, e, se tudo der certo, conquista a garota. Das reprises da sessão da tarde com Karatê Kid: A Hora da Verdade (1984), séries essenciais como Freaks & Geeks (1999) ou clássicos do calibre de Juventude Transviada (1955), há incontáveis variações sobre este mesmo tema. Ainda assim, a comédia juvenil que marca a estreia do ator Rudi Rosenberg como diretor, O Novato, consegue introduzir alguma inovação, graça e leveza a uma premissa tão recorrente.

o-novato-papo-de-cinema-01

Seja favorecendo os nerds contra os bullies ou demonstrando o quão divertido pode ser pertencer à esfera mais baixa do espectro social escolar, O Novato extrai comicidade espontânea de um elenco de desajustados liderado por Benoit (Rephael Ghrenassia). O adorável garoto de 13 anos se muda com seus pais para Paris e, por lá, descobre as agruras tão comuns da adolescência, numa escola onde, como todas as outras, os jovens mais populares são aqueles mais ricos, bonitos e esportivos.

Vencedor do prêmio destinado a novos diretores no Festival de San Sebastian, Rosenberg não tem o mesmo mérito na condução de seu roteiro, que peca em alguns aspectos de continuidade e ritmo. Em algum momento do segundo ato, o desenvolvimento do longa se torna episódico e soa como a colagem de diversas esquetes, mas nada que, em outro parâmetro, não privilegie o desenvolvimento de seus personagens e suas interações. Em alguns aspectos, a estreia do cineasta remete ao sueco Lukas Moodysson e seu debute cinematográfico com Amigas de Colégio (1998), projeto de pretensões semelhantes e, em grande maioria, igualmente bem-sucedidas.

o-novato-papo-de-cinema-10

Não há um arco narrativo muito maior do que a premissa de O Novato revela, além de retratar a gradual evolução de Benoit, que eventualmente descobre que ser legal é menos importante do que se sentir bem consigo mesmo e com seus amigos – mesmo que não ocupem o topo da cadeia alimentar escolar. Numa cidade que mantém os costumes e valores superficiais desde a monarquia francesa, onde beleza e riqueza ainda são primordiais, é um prazer ver um filme que torce pelos oprimidos.

Gracioso e fresco, O Novato apresenta com verossimilhança uma etapa da vida tão ordinária quanto de apelo universal, geralmente explorada pelo cinema numa abordagem que prioriza o efeito e o riso fácil antes da autenticidade. O que temos aqui é justamente o contrário, uma produção que não surpreende pela presunçosa novidade de seu tema, mas pela forma que o apresenta, fugindo dos lugares comuns do gênero. Talvez seu êxito não fosse possível sem o trabalho primoroso de seu jovem elenco, onde, além do protagonista Benoit (Ghrenassia) e do estranhíssimo e encantador Joshua (Joshua Raccah), destaca-se a impressionante personificação para Aglaee por Geraldine Martineau – que interpreta uma adolescente com deficiência e, longe das câmeras, é uma mulher deslumbrante de 31 anos!

o-novato-papo-de-cinema-11

Há algumas passagens de O Novato que são duras de se assistir, não por seu conteúdo violento ou transgressivo, mas principalmente por retratar fielmente um momento de nossas vidas onde a humilhação é dolorosa, mas crucial no processo de crescimento, como um rito de passagem para as incertezas da vida adulta. Não há qualquer necessidade de que um filme transmita alguma mensagem, mas o discurso que Rosenberg aqui expõe é tão essencial quanto relevante, o que o torna uma sessão obrigatória principalmente para adolescentes em fase escolar – talvez melhor ainda numa sessão dupla com o igualmente terno As Vantagens de Ser Invisível (2012).

Nota da crítica

3.5/5

avatar

Conrado Heoli é crítico de cinema, membro da ACCIRS - Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul. Graduado em Publicidade e Propaganda, coordena a Unidade de Cinema e Vídeo de Caxias do Sul, programa a Sala de Cinema Ulysses Geremia e integra a Comissão de Cinema e Vídeo do Financiarte.

Mande um mail para Conrado

Veja outros textos assinados por Conrado Heoli

Ficha Técnica

NOME ORIGINAL: Le Nouveau

PAÍS DE ORIGEM: França

ANO: 2015

GÊNERO: Comédia

DURAÇÃO: 81 min

DIREÇÃO: Rudi Rosenberg

ROTEIRO: Rudi Rosenberg, Igor Gotesman, Bruno Muschio

EDIÇÃO: Julie Lena

FOTOGRAFIA: Nicolas Loir

FIGURINO: Elise Bouquet, Reem Kuzayli

MÚSICA: Rémi Barbot, Steve Bouyer, Pascal Mayer

PRODUÇÃO: Eric Juhérian, Mathias Rubin

ELENCO: Réphaël Ghrenassia, Joshua Raccah, Géraldine Martineau, Guillaume Cloud-Roussel, Johanna Lindstedt, Max Boublil, Eythan Chiche, Gabriel Nahum, Ismaël Mandile, Arthur Grégoire, Iléana Courbey, Yiling Luo, Pauline Leblond, Samuel Jami, Zélie Pouyanne, Charles Madar, Sacha Fleury, Valentina Fiamini, Salle Samassa, Maguelone Béroud, Idriss Abdelmoula Durupt, Jeni Radu, Eddhy Dupont, Raphaël Gobert, Valentin Larminach, Charles Picavais, Dimitri Lazareff, Louise Andrier, Paola Dubois, Emilie Dieval, Paul Saulnier, Sixtine Dupont, Mila Ramelli, Annika Thorelli, Anna Meliz, Thibault Chabrol, Faustine de Maximy, Selim Mehenni, Jan Debski

Sinopse

A primeira semana do garoto Benoit em seu novo colégio não acontece como ele esperava. Ele é maltratado pelo grupo dos garotos populares liderados por Charles, e os únicos alunos a recebê-lo com bondade são os excluídos. Nesse grupo, Benoit conhece Johanna, uma menina sueca por quem se apaixona. Infelizmente, ela vai aos poucos se afastando de Benoit para integrar o grupo de Charles. Seguindo os conselhos do tio, Benoit organiza uma festa e convida toda sua turma. É a ocasião de ser tornar popular e reconquistar Johanna.

Curiosidades

- Seleção oficial do Festival Varilux de Cinema Francês 2016;

- Seleção oficial do Festival de Zagreb 2015;

- Este é o primeiro longa do diretor Rudi Rosenberg;

  • Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

  • "Velozes e Furiosos 8" (Universal)

    2ªSemana: 1,7 milhão de espectadores

    Público Total: 5,1 milhões de espectadores

  • "A Cabana" (Paris)

    3ªSemana: 621 mil espectadores

    Público Total: 2,4 milhões de espectadores

  • "O Poderoso Chefinho" (Fox)

    4ªSemana: 372 mil espectadores

    Público Total: 2,4 milhões de espectadores

  • "Os Smurfs e a Vila Perdida" (Sony)

    3ªSemana: 241 mil espectadores

    Público Total: 1,1 milhão de espectadores

  • "A Bela e a Fera" (Disney)

    6ªSemana: 225 mil espectadores

    Público Total: 8 milhões de espectadores

  • "Velozes e Furiosos 8" (Universal)

    2ªSemana: US$ 38,6 milhões

    Bilheteria Total: US$ 163,5 milhões

  • "O Poderoso Chefinho" (Fox)

    4ªSemana: US$ 12,7 milhões

    Bilheteria Total: US$ 136,9 milhões

  • "A Bela e a Fera" (Disney)

    6ªSemana: US$ 9,9 milhões

    Bilheteria Total: US$ 471 milhões

  • "Born in China" (Disney)

    Estreia: US$ 5,1 milhões

    Bilheteria Total: US$ 24,7 milhões

  • "Despedida em Grande Estilo" (Warner)

    3ªSemana: US$ 5 milhões

    Bilheteria Total: US$ 31,7 milhões