O nosso papo é de cinema!


Borboletas Negras

20/11/2011    

 

Crítica

“A criança não está morta

A criança levanta os punhos contra sua mãe

Que África gritou o fôlego da liberdade do brejo

Nos locais de coração sitiado

A criança levanta os punhos contra seu pai

Numa marcha de gerações

Que África gritou o gosto

De justiça e de sangue

A criança não está morta

Nem em Langa nem em Nyanga

Nem em Orlando nem em Sharpville

Nem na delegacia em Philippi

Onde ela se encontra com uma bala na cabeça”

Assim começa o poema “A criança morta de Nyanga”, da poetisa sul-africana Ingrid Jonker. Grande sucesso literário de crítica, tornou-se também um fenômeno popular quando o recém liberto Nelson Mandela, já presidente da África do Sul, o escolheu para abrir seu primeiro discurso ao Parlamento do país, em 1994. Pois é a conturbada e trágica história de vida dessa mulher que chegamos a vislumbrar neste belíssimo Borboletas Negras. Digo vislumbre pois, como todo artista, com Jonker também deve ter se passado muito mais no campo da imaginação e da criatividade do que no real e físico. E foi combinando estes dois elementos que temos aqui uma obra que instiga ao mesmo tempo em que provoca a reflexão.

Ingrid Jonker nasceu em 19 de setembro de 1933 e residia na Cidade do Cabo. Criada inicialmente pela avó, foi levada meio a contragosto para casa pelo pai quando ainda criança, após o falecimento da velha senhora. Desde pequena os conflitos entre ela e a figura paterna se estabeleceram, e com o passar dos anos a tensão entre eles só se intensificava – e piorava. Ingrid era uma libertária, emocionalmente instável, carente de atenção e impulsiva. Já seu pai, Abraham Jonker, não apenas não reconhecia o talento da filha, como também a rejeitava. Ele era um dos responsáveis pela manutenção do Apartheid, sendo a pessoa responsável pela censura de publicações, artes e entretenimentos. Como ela lutava contra o governo segregacionista, obviamente os dois viviam numa rota de colisão que inevitavelmente teria um final infeliz para ambos.

A maior habilidade da diretora holandesa Paula van der Oest é a força que ela coloca nas interpretações do seu elenco, muito unido e coeso, e nas palavras do roteiro, que partem da matriz literária para se estruturarem de forma precisa e direta. Todos defendem seus personagens com dedicação e valentia, principalmente uma surpreendente Carice van Houten (uma revelação vista primeiramente no thriller de guerra A Espiã, 2006, de Paul Verhoeven) e o sumido Rutger Hauer, que finalmente, depois de décadas, volta a ter um bom papel, após ter despertado tanta atenção no início dos anos 80 com Blade Runner – O Caçador de Andróides (1982) e Ladyhawke – O Feitiço de Áquila (1985), entre outros. Os dois, assim como Liam Cunningham (Ventos da Liberdade, 2006), que aparece como Jack Cope, o grande amor da vida dela, são as forças motrizes desse drama que ganha uma dimensão ainda maior por oferecer luz a uma mente criativa tão relevante e pouco conhecida.

Nota da crítica

3.5/5

avatar

Robledo Milani é crítico de cinema, presidente da ACCIRS - Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul (gestão 2016-2018), e membro fundador da ABRACCINE - Associação Brasileira de Críticos de Cinema. Já atuou na televisão, jornal, rádio, revista e internet. Participou como autor dos livros Contos da Oficina 34 (2005) e 100 Melhores Filmes Brasileiros (2016). Criador e editor-chefe do portal Papo de Cinema.

Mande um mail para Robledo

Veja outros textos assinados por Robledo Milani

Ficha Técnica

NOME ORIGINAL: Black Butterflies

PAÍS DE ORIGEM: Alemanha, Holanda e África do Sul

ANO: 2011

DIREÇÃO: Paula van der Oest

ROTEIRO: Greg Latter

EDIÇÃO: Sander Vos

FOTOGRAFIA: Giulio Biccari

MÚSICA: Philip Miller

DIREÇÃO DE ARTE: Darryl Hammer

FIGURINO: Rae Donnelly

PRODUÇÃO: Arnold Heslenfeld

ESTÚDIO: IDTV Film, Cool Beans, Comet Film Produktion GmbH, Spier Films, Riba Film International, NTR, The NTR, Nederlands Fonds voor de Film, The Netherlands Film Fund, CoBo Fonds

SITE OFICIAL: www.blackbutterflies.nl

ELENCO: Rutger Hauer, Carice van Houten, Liam Cunningham, Grant Swanby, Graham Clarke, Leon Clingman, Candice D'Arcy, Jennifer Steyn, Nicholas Pauling

Sinopse

A trajetória da poetisa sul-africana Ingrid Jonker (Carice van Houten) é apresentada na emocionante trama de Borboletas Negras. O filme conta a história da mulher que lutou, sem apoio de seu pai, que era responsável pela censura do que era publicado na época, contra a desigualdade racial em pleno Apartheid, e que após sua morte teve seu poema The Dead Child of Nyanga lido e apontado por Nelson Mandela como um poema de uma das melhores poetisas sul-africanas em seu primeiro discurso ao Parlamento Sul-Africano.

Curiosidades

- Ganhou no Nederlands Film Festival prêmio de Melhor Atriz (Carice van Houten), Melhor Montagem (Sander Vos) e Melhor Filme.

  • Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

  • "Mulher-Maravilha" (Warner)

    3ªSemana: 1,1 milhão de espectadores

    Público Total: 4,8 milhões de espectadores

  • "A Múmia" (Universal)

    2ªSemana: 705 mil espectadores

    Público Total: 1,9 milhões de espectadores

  • "Baywatch" (Paramount)

    Estreia: 253 mil espectadores

    Público Total: 264 mil espectadores

  • "Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar" (Disney)

    4ªSemana: 251 mil espectadores

    Público Total: 3,3 milhões de espectadores

  • "Um Tio Quase Perfeito" (H2O)

    Estreia: 184 mil espectadores

    Público Total: 184 mil espectadores

  • "Carros 3" (Disney/Pixar)

    Estreia: US$ 53,5 milhões

    Bilheteria Total: US$ 53,5 milhões

  • "Mulher-Maravilha" (Warner)

    3ªSemana: US$ 40,7 milhões

    Bilheteria Total: US$ 274,6 milhões

  • "All Eyez on Me" (Lionsgate)

    Estreia: US$ 27 milhões

    Bilheteria Total: US$ 27 milhões

  • "A Múmia" (Universal)

    2ªSemana: US$ 13,9 milhões

    Bilheteria Total: US$ 56,5 milhões

  • "47 Meters Down" (ENTMP)

    Estreia: US$ 11,5 milhões

    Bilheteria Total: US$ 11,5 milhões