O nosso assunto é cinema. Só cinema!


Azul é a Cor Mais Quente

29/11/2013    

 

Crítica

Assim como Frances Ha (2013), Azul é a Cor Mais Quente (2013) traz uma história de amadurecimento e auto-aceitação. Se no filme de Baumbach as questões se dão em torno da vida profissional e o crescimento tardio da quase balzaquiana Frances, aqui acompanhamos a protagonista, Adèle (Adèle Exarchopoulos), que acaba tendo de encarar a descoberta de sua vida amorosa e sexual e ainda fazer a tão dolorosa passagem da juventude para a idade adulta.

Vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes 2013, Azul é a Cor Mais Quente é uma história inspirada livremente na graphic novel de mesmo nome, escrita e desenhada por Julie Maroh. Pela lente do diretor Abdellatif Kechiche (O Segredo do Grão, 2007) somos apresentados a essa personagem um pouco à margem, sem, no entanto, que inicialmente ela pareça estar de fato marginalizada. Afinal, Adèle é uma garota de 16 anos como qualquer outra, possui sua turma de amigas, se dedica a estudar e ler muito e também paquerar. Paralelamente a sua história, ela lê “A Vida de Marianne”, de Pierre de Marivaux, e alguns trechos que estão sendo trabalhados em sala de aula acabam por se encaixar perfeitamente em seus dias.

Um desses é quando encontra na rua uma garota misteriosa de cabelos azuis que deixa um vazio a ser preenchido, como descreve Marivaux. Um amor à primeira vista. A garota é Emma (Léa Seydoux, em performance ofuscada por Adèle Exarchopoulos), uma graduanda em Belas Artes que nossa protagonista, desbravando suas dúvidas na noite, a encontra novamente em um bar de lésbicas. É o pontapé inicial para o relacionamento entre elas começar e também para corações serem partidos.

Mais do que acompanhar o nascimento do envolvimento amoroso das personagens, vamos percebendo o desaparecimento dele, as escolhas imaturas, as sabotagens, toda a complexidade que é se relacionar e, principalmente, se jogar completamente no amor. E amar é abstrato, difícil de traduzir. Kechiche assume a missão de externar tudo isso na tela. Todo esse amor incondicional. É aí que as cenas e planos de olhos, bocas, toques e pele são justificados. São essas as formas que encontramos, muitas vezes, de demonstrar o amor.

A junção dos corpos também é uma dessas demonstrações – e já adianto, esqueça as polêmicas em torno da tão falada cena de sexo gravada durante longos 10 dias, a qual Léa Seydoux engrossou o caldo dizendo que se sentiu explorada. Ora, a contribuição dessa sequência para a história é justificada e necessária. Estamos assistindo a um filme que se propõe a um retrato quase documental do crescimento dessa personagem e nada mais justo que filmar o sexo de forma natural, sem pudores. Por mais atuado que seja, existe um naturalismo, quase uma verdade. Deveríamos trocar o costume de assistir 10 minutos de explosões, tiros e corpos mutilados à la Tarantino por cenas como essas, que possuem um saldo positivo e ajudam a quebrar paradigmas.

O que Kechiche nos mostra durante Azul é a Cor Mais Quente, e que o título original francês traduz e conecta maravilhosamente bem com o livro de Marivaux, é a vida de Adèle. Mas não é somente a vida que transcorre durante suas 3 horas de exibição na tela do cinema. É ainda a vida que surge no plano final da produção, é ali onde assistimos a chegada da vida, o começo de tudo. Ela amadurece e erra muito nesse processo de autodescoberta de ser ou não lésbica, de ser ou não uma adulta, de ser ou não ser uma escritora e tantas outras coisas. Isso é uma parte da vida da personagem. A vida de Adèle começa assim que a tela fica escura e a sala acende suas luzes e imaginamos o que acontecerá dali adiante com ela, depois de todo esse processo de amadurecimento de gosto doce e amargo, que só a vida e um coração partido nos proporciona.

Nota da crítica

4.5/5

Nota do Leitor

60624
Thanks!
An error occurred!


é graduando em Cinema e Animação pela Universidade Federal de Pelotas (RS), membro da ACCIRS - Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul.

Mande um mail para para Renato

Veja outros textos assinados por Renato Cabral

Ficha Técnica

NOME ORIGINAL: La Vie d’Adele

PAÍS DE ORIGEM: França

GÊNERO: Drama

DURAÇÃO: 179 min

ANO: 2013

DIREÇÃO: Abdellatif Kechiche

ROTEIRO: Abdellatif Kechiche, Ghalia Lacroix

EDIÇÃO: Ghalia Lacroix, Albertine Lastera, Camille Toubkis

FOTOGRAFIA: Sofian El Fani

MÚSICA: Elise Luguern

DIREÇÃO DE ARTE: Coline Débée, Julia Lemarie

FIGURINO: Sylvie Letellier

PRODUÇÃO: Brahim Chioua, Laurence Clerc, François Guerrar, Abdellatif Kechiche, Vincent Maraval

ESTÚDIO: Artificial Eye, Canal +, Quat’sous Films

ELENCO: Léa Seydoux, Adèle Exarchopoulos, Salim Kechiouche, Aurélien Recoing, Catherine Salée, Benjamin Siksou, Mona Walravens, Alma Jodorowsky

Sinopse

Adèle (Adèle Exarchopoulos) é uma garota de 15 anos que descobre, na cor azul dos cabelos de Emma (Léa Seydoux), sua primeira paixão por outra mulher. Sem poder revelar a ninguém seus desejos, ela se entrega por completo a este amor secreto, enquanto trava uma guerra com sua família e com a moral vigente.

Curiosidades

- Adaptado das histórias em quadrinhos Le Bleu est une Couleur Chaude, de Julie Maroh;

- Premiado com a Palma de Ouro de Melhor Filme no Festival de Cannes, prêmio entregue para o Diretor e, pela primeira vez, para as atrizes principais;

- Vencedor do Independent Spirit Award como Melhor Filme Estrangeiro;

- Vencedor do prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no New York Film Critics Awards;

- Vencedor do Prêmio César de Atriz Mais Promissora (Adèle Exarchopoulos);

3 comentários para “Azul é a Cor Mais Quente”

  1. Yuri Correaem 29/11/2013 às 23:15

    Gostei do filme e apoio que o sexo deveria ser menos tabu dentro do cinema, trocando lugar então com a violência hoje tão difundida. Porém, acho injusta a comparação com longas que tem “explosões, tiros e corpos mutilados à la Tarantino”, uma vez que: este tipo cinema é tão necessário quanto o apresentado aqui, e por simplesmente se tratarem de propostas absurdamente diferentes. Não interfere no cinema gay lésbico francês, um “Django Livre”, por exemplo, e nem o oposto, ainda assim, ambos são essenciais para que se exista um rico “ecossistema cinematográfico”.

  2. Priscilaem 06/12/2013 às 0:27

    É uma pena que o título em português deixa muito a desejar, mas o filme é tipo ler um livro pela capa, só que ao contrário.

  3. Juniorem 10/01/2014 às 23:02

    Estou ansioso para assistir o filme com colegas. E o que me chamou atenção inicial ao filme foi o título, que achei bem poético.
    Brincando com a questão do vermelho ser considerada a cor mais quente, quando para a personagem, Azul, por ser a cor do cabelo da menina é a mais quente.

  • Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

  • Lucy” (Universal)

    Estreia: 413.800 espectadores

    Público Total: 413.800 espectadores

  • As Tartarugas Ninja” (Paramount)

    3ª Semana: 367.900espectadores

    Público Total: 2.473.200 espectadores

  • Os Mercenários 3” (Califórnia)

    2ª Semana: 377.300 espectadores

    Público Total: 1.294.400 espectadores

  • No Olho do Tornado” (Warner)

    Estreia: 178.300 espectadores

    Público Total: 178.300 espectadores

  • Vestido pra Casar” (Imagem)

    4ª Semana: 89.900 espectadores

    Público Total: 1.098.300 espectadores

  • Guardiões da Galáxia” (Buena Vista)

    5ª Semana: US$ 16.313.000,00

    Bilheteria Total: US$ 274.610.000,00

  • As Tartarugas Ninja” (Paramount)

    4ª Semana: US$ 11.750.000,00

    Bilheteria Total: US$ 162.406.000,00

  • Se Eu Ficar” (Warner)

    2ª Semana: US$ 9.260.000,00

    Bilheteria Total: US$ 29.822.000,00

  • “Assim na Terra Como no Inferno” (Universal)

    Estreia: US$ 8.342.000,00

    Bilheteria Total: US$ 8.342.000,00

  • “Let’s Be Cops” (Fox)

    3ª Semana: US$ 8.200.000,00

    Bilheteria Total: US$ 57.322.000,00

  • No public Twitter messages.
 

Redes Sociais